TIGed

Switch headers Switch to TIGweb.org

Are you an TIG Member?
Click here to switch to TIGweb.org

HomeHomeExpress YourselfPanorama20 anos do isolamento do vírus HIV no Brasil
Panorama
a TakingITGlobal online publication
Search



(Advanced Search)

Panorama Home
Issue Archive
Current Issue
Next Issue
Featured Writer
TIG Magazine
Writings
Opinion
Interview
Short Story
Poetry
Experiences
My Content
Edit
Submit
Guidelines
20 anos do isolamento do vírus HIV no Brasil Printable Version PRINTABLE VERSION
by Efraim Neto, Brazil Feb 16, 2008
Human Rights , Health   Interviews

  

20 anos do isolamento do vírus HIV no Brasil BG - Isso tudo ocorreu, junto com a sociedade organizada. Pesquisadores e outros formadores de opinião fizeram com que o governo criasse um programa para combater essa epidemia. O que é um exemplo fantástico de como a sociedade civil pode pressionar o governo. Inclusive a própria AIDS tem características que permitem isso. Está relacionada com o sexo, com a morte. As pessoas sabiam, que se a contraíssem, poderiam morrer. Milhares e milhares de pessoas morreram e isso trouxe uma comoção social muito grande.

CPqGm - O isolamento foi, na verdade, um grande triunfo simbólico?
BG – Sim. Mas com isolamento do vírus, o Brasil foi reconhecido no cenário intencional e foi, então, convidado a participar de comitês internacionais. Participamos de uma experiência bem interessante de redes de pesquisas, já naquela época. Nós tivemos a oportunidade de participar de uma rede internacional de laboratórios, coordenado pela OMS e o Programa Mundial de AIDS, que foi uma grande experiência. Os pesquisadores do mundo todo reunidos para combater um mal maior; com isso foi possível conhecer, rapidamente, os diferentes subtipos do HIV que circulavam em diversos países.

CPqGm - Esse fator, apesar de não ter sido um grande feito em termos científicos, foi capaz de acelerar os processo de descobertas?
BG - Com certeza ele foi capaz. Verificamos que a rede internacional de laboratórios, implantada em 1991, não iria contemplar a caracterização do vírus em todos os estados do Brasil, mas apenas em determinados lugares, como Rio, São Paulo e Belo Horizonte. Então, nós imediatamente propusemos a criação de uma rede nacional, nos mesmos moldes já existentes, contamos com apoio do Ministério da Saúde e da Organização Mundial de Saúde. Era uma rede inspirada, muito parecida, na internacional. Esta rede foi implantada em março de 1993. Trabalhos desta rede, possibilitaram a caracterização de uma maior quantidade de vírus que circulava em diferentes regiões do país. Este é um exemplo de rápida transferência de tecnologia e conhecimento que só ocorreu devido a excelente qualificação dos pesquisadores brasileiros.

CPqGm - Como essa experiência ocorrida há 20 anos serve de modelo para pensar o hoje? Que exemplos ela nos dá para enfrentar outras epidemias/doenças emergentes?
BG – Acredito que devemos reforçar continuadamente a infra-estrutura institucional. Por exemplo, no final da década de 70, início dos anos 1980, a Fiocruz obteve recursos da ordem de 1 milhão de dólares americanos, resultante de um projeto aprovado pelo programa TDR (sigla em inglês de Tropical Disease Research) da OMS. Este projeto possibilitou a implantação de Centro de Imunologia Parasitaria na Fiocruz, RJ. Investimos também num plano de formação de pessoal, de curto e longo prazos, e dotamos esse centro de toda a infra-estrutura, igualando aos melhores laboratórios do mundo naquela época, tornando-se um pólo de atração para pesquisadores, principalmente recém doutores que estavam retornando para o Brasil. Para a elaboração deste projeto, contamos com a colaboração do Professor Paul Henri Lambert, meu orientador de doutorado realizado em Genebra.

CPqGm – Vocês acumularam experiência, se prepararam para isso.
BG – Sim. O que a gente propõe para que um país como o nosso possa se preparar para enfrentar doenças emergentes é equipar seus laboratórios, ter uma boa infra-estrutura e projetos bem planejados. É preciso também fazer “animação”, ou seja, estimular, e possibilitar a atualização continuadamente da equipe de trabalho.

CPqGm - A partir daí, foi mais fácil montar rede de laboratórios.
BG - Isso tudo desdobrou em uma rede, que transcendeu a Fiocruz, envolvendo pesquisadores de todo Brasil. Vários laboratórios participaram desse esforço nacional de isolamento e caracterização do HIV, trazendo uma visibilidade muito grande da pesquisa feita em AIDS no Brasil. Porque com a formação dessa rede, pôde-se rapidamente dar resposta e fazer pesquisa de boa qualidade, e comprometida com a saúde pública. O que possibilitou a publicação de diversos trabalhos. Você pode perceber que os pesquisadores que participaram desse programa foram os mais citados, trabalhando ou vivendo na América Latina ou Caribe, no período entre 1999 a 2005.

CPqGm - Quais são os desafios para a pesquisa com AIDS no Brasil e no mundo, principalmente agora depois da falha da vacina da Merck?
BG - A vacina é sempre um desafio porque a infecção causada pelo HIV apresenta uma fase crônica assintomática e de transmissão sexual. Se você olhar, era uma infecção que atingia, principalmente, determinados grupos de comportamento de risco, mas hoje ela é tida como de transmissão heterossexual tornado-a de difícil controle. Por isso uma vacina eficaz vacina eficaz seria a solução. Infelizmente varias tentativas de obtenção de vacinas foram infrutíferas. O outro desafio é a busca de drogas que possam realmente erradicar a infecção.. Eu acho que a terceira coisa mais importante é reforçar os programas de prevenção. Você tem que sensibilizar as pessoas. Embora a disseminação do HIV no Brasil tenha diminuído, os índices de contaminação entre os jovens aumentaram. Que isso significa? Uma das razões para justificar isso, é que os jovens não viveram o momento trágico da AIDS. Porque antes as pessoas conheciam alguém que tinha sido vítima da AIDS. Isso causava um certo temor. Eu vejo que o grande desafio é descobrir como sensibilizar esse grupo de pessoas sobre essa doença tão grave.







Tags

You must be logged in to add tags.

Writer Profile
Efraim Neto


This user has not written anything in his panorama profile yet.
Comments


HIV HEALING
Doris Carter | Sep 14th, 2018
Healing from HIV-AIDS, i never though dr.camala who could ever get my HIV-AIDS cured with his healing spell, i have tried almost everything but i couldn't find any solution on my disease, despite all these happening to me, i always spend alot to buy a HIV drugs from hospital and taking some several medications but no relieve, until one day i was just browsing on the internet when i come across a great post of !Michelle! who truly said that she was been diagnose with HIV and was healed that very week through the help of these great powerful healing spell doctor, sometime i really wonder why people called him Papa camala, i never knew it was all because of the great and perfect work that he has been doing that is causing all this. so i quickly contacted him, and he ask me some few questions and he said a thing i will never forget that anyone who contacted him is ! always getting his or her healing in just 6 hours after doing all he ask you, so i was amazed all the time i heard that from him, so i did all things only to see that at the very day which he said i will be healed, all the strength that has left me before rush back and i becomes very strong and healthy, this disease almost kills my life all because of me, so i will to hospital to give the final test to the disease and the doctor said i am HIV negative, i am very amazed and happy about the healing dr.camala gave to me from the ancient part of Africa, you can email him now for your own healing too at: dr.camalahivadscure@yahoo.com or WhatsApp him +2349055637784 thank you sir for healing me from HIV, i am Doris Carter.

You must be a TakingITGlobal member to post a comment. Sign up for free or login.