TIGed

Switch headers Switch to TIGweb.org

Are you an TIG Member?
Click here to switch to TIGweb.org

HomeHomeExpress YourselfPanoramaReflexões sobre o Comportamento sexual juvenil no Brasil
Panorama
a TakingITGlobal online publication
Search



(Advanced Search)

Panorama Home
Issue Archive
Current Issue
Next Issue
Featured Writer
TIG Magazine
Writings
Opinion
Interview
Short Story
Poetry
Experiences
My Content
Edit
Submit
Guidelines




This work is licensed under a Creative Commons License.
Reflexões sobre o Comportamento sexual juvenil no Brasil Printable Version PRINTABLE VERSION
by Luciana Brasil, Brazil Aug 4, 2008
Health , Culture   Opinions
 1 2 3   Next page »

  

Reflexões sobre o Comportamento sexual juvenil no Brasil Antes de qualquer coisa, achei importante contextualizar o que viria a ser o termo sexualidade.
A sexualidade é um conceito em disputa, que depende do autor, do olhar informado, da área de conhecimento. A sexualidade é uma das dimensões do ser humano que envolve gênero, identidade sexual, orientação sexual, erotismo, envolvimento emocional, amor e reprodução. Envolve, além do nosso corpo, nossa história, nossos costumes, nossas relações afetivas, nossa cultura.
A sexualidade na juventude vem ocupando um lugar de extrema importância em temas polêmicos, como a saúde sexual e reprodutiva, a gravidez precoce, o aborto inseguro e as DST e Aids.
Em estudo realizado pelo Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap), em 2005, a idade mediana para a primeira relação é de 15 anos, quase 3 anos a menos do que na última pesquisa realizada em 2000. Isso mostra que os jovens brasileiros vêm iniciando a vida sexual muito mais cedo. Portanto, é natural que expressiva literatura no campo da sexualidade tenha-se voltado para o lugar da escola e da educação de jovens.
No Brasil, a história da educação sexual tem sido marcada por avanços e recuos. No início do século, pela influência das correntes médico-higienistas européias, surgem os primeiros tabus sexuais, que apregoavam o combate à masturbação e às doenças venéreas, visando à preparação da mulher para o papel de esposa e mãe. Em 1928, o Congresso Nacional aprova a proposta de educação sexual nas escolas, seguidos de 50 anos de conturbações causadas pela mídia, a Igreja, enfim. Somente em 1995, com os Parâmetros Curriculares para o Ensino Fundamental (PCNs), orientação sexual é assumida pelo Governo Federal.
No ano de 2003, foi lançado pelo Governo Federal, um importante programa de saúde nas escolas sobre disponibilização do preservativo, que, junto com a insistência de que os professores estejam sensibilizados e relativamente preparados para responder quando perguntados pelos jovens sobre temas de sexualidade e atentos para desconstruir violências e discriminações das escolas, acabaram sendo formas básicas de conhecimento e ação nas escolas.
Uma pesquisa realizada pela UNESCO em 2004, que envolveu crianças, adolescentes e jovens de escolas do ensino fundamental e médio de 13 capitais brasileiras e do Distrito Federal, apresentou dados preocupantes e ao mesmo tempo surpreendentes.
O estudo revelou que a idade média da primeira relação sexual é mais baixa entre os alunos do sexo masculino, variando entre 13,9 a 14,5, enquanto que entre as estudantes do sexo feminino, as idades médias da primeira relação sexual são 15,2 a 16 anos. Em quase todas as capitais, mais de 10% das crianças e adolescentes entre 10 e 14 anos já tiveram uma relação sexual. Um tanto precoce, não? Um 68% dos alunos entrevistados não atribuem valor á virgindade (isso explica a precocidade na iniciação da primeira relação sexual). Como o Brasil é um país historicamente patriarcal, muitos dos entrevistados de sexo masculino, afirmam existir uma forte pressão social para que sua vida sexual comece o mais cedo possível.
Um ponto importante levantado pela pesquisa mostra que não há muito diálogo nem por parte dos pais nem dos professores sobre sexualidade e muitas das atividades promovidas pelas escolas são alvos de fortes críticas pela falta de continuidade e monotonia. Essa falta de diálogo ganha mais importância ao se constatar que mais de um terço dos alunos afirmaram não ter conhecimento suficiente sobre DSTs.
Em relação à gravidez precoce, o estudo aponta que 14,7% das garotas entrevistadas afirmaram já ter engravidado, pela primeira vez, antes dos 14 anos. Este dado é muito forte, e reflete o fracasso do Estado quanto à elaboração de programas que informem os jovens sobre métodos contraceptivos, planejamento familiar. E ainda há quem diga que o programa de distribuição gratuita de preservativos nas escolas fomenta o sexo precoce. O melhor realmente seria ter meninas com menos de 14 anos grávidas.
Os dados coletados sobre o aborto revelam uma anormalidade. Enquanto uma média de 55,15% dos jovens afirmam que conhecem moças ou mulheres que fizeram aborto, apenas 5% declaram ter tal vivência ou familiaridade com o exercício do aborto.
Como conclusão, a pesquisa da UNESCO indica que sexualidade é tema que tem prioridade para os jovens, que provoca debates, polêmicas, interesse e atenção. Foi possível também, fazer um mapeamento das marcas de gênero entre os jovens, como o consenso e a alta receptividade entre moças e rapazes no que diz respeito ao valor que se dá à virgindade, já que ambos consideram que isso é coisa do passado. Foi notado também, que as meninas estariam avançando em termos de defender princípios mais igualitários no gênero, como o valor do sexo para ambos os sexos.
Considerei muito importante a contribuição desta pesquisa para um entendimento mais profundo sobre o comportamento sexual dos jovens brasileiros. No entanto, essa afirmativa de que a sexualidade é um tema prioritário, contradiz as 22 propostas formuladas pelos jovens na 1ª Conferência Nacional da Juventude, realizada em Abril de 2008.





 1 2 3   Next page »   


Tags

You must be logged in to add tags.

Writer Profile
Luciana Brasil


"Decifra-me ou te devoro"
Comments
You must be a TakingITGlobal member to post a comment. Sign up for free or login.