TIGed

Switch headers Switch to TIGweb.org

Are you an TIG Member?
Click here to switch to TIGweb.org


Home Home Browse Resources Toolkits & Publications Metas do Milênio: Marcha lenta e desigual
Details Toolkit/Publication:
Metas do Milênio: Marcha lenta e desigual

DetailsDetails
Type
Newsletter

Author
Thalif Deen, da IPS

Publication Date
September 30, 2008

Posted
September 30, 2008

Categories
Environment
Human Rights
Education

Tags

You must be logged in to add tags.
aboutAbout
Nações Unidas, 30/09/2008 – “Embora estejamos nos movendo na direção correta, não o fazemos suficientemente rápido” para cumprir os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, disse o secretário-geral da Organização das Nações Unidas, Ban Ki-moon . Em um momento em que as nações em desenvolvimento, particularmente na África, admitem sua incapacidade de cumprir a maioria dos oito Objetivos, um país latino-americano vai contra a corrente: o Chile. Esta nação inclusive acredita que poderá atingir as Metas no prazo estabelecido pela ONU.

“Modesta e orgulhosamente, anunciamos a esta Assembléia que o Chile está conseguindo os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio fixados para 2015”, disse aos delegados a presidente chilena, Michelle Bachelet. Dirigindo-se à Assembléia Geral, de 192 membros, afirmou: “Podemos dizer que é possível erradicar a pobreza, sair do subdesenvolvimento e – o que é ainda mais importante – fazê-lo dentro da democracia e com liberdade”. O Chile, que quase triplicou o tamanho de sua economia entre 1990 e 2008, “avançou fortemente” em todas as frentes: saúde, educação, habitação, qualidade de vida e coesão social, acrescentou Bachelet se referindo a alguns objetivos estabelecidos pela ONU.

Com população de aproximadamente 16,4 milhões de habitantes, o nível de pobreza no Chile diminuiu: passou de cerca de 40% em 1989 para 13% atuais. Bachelet proporcionou na semana passada um dos poucos alívios políticos em uma reunião de aproximadamente cem líderes mundiais, a maioria se queixando de que a atual crise de alimentos, combustível e energia está minando suas tentativas de conseguir os oito Objetivos de Desenvolvimento do Milênio.

Estas metas, definidas pela Assembléia Geral da ONU, incluem reduzir pela metade a proporção de pessoas que sofrem fome e pobreza (em relação a 1990); garantir educação primária universal; promover a igualdade de gênero; reduzir a mortalidade infantil e a materna; combater à Aids, a malária e outras doenças; assegurar a sustentabilidade ambiental e fomentar uma associação mundial para o desenvolvimento, tudo isto tendo como data-limite 2015.

A volátil situação se vê agravada pela crise econômica sem precedentes que vivem os Estados Unidos, descrita por alguns como uma “tempestade que se aproxima”, ameaçando devastar o mundo em desenvolvimento. “Embora estejamos nos movendo na direção certa, não o fazemos com suficiente rapidez”, disse Ban Ki-moon em uma reunião de alto nível sobre os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio.

O presidente da 63ª Assembléia Geral, sacerdote Miguel d’Escoto Brockman, advertiu que a atual crise financeira terá “conseqüências muito sérias” que impedirão um avanço significativo, “se é que se conseguirá algum avanço” rumo aos Objetivos do Milênio, “que são em si mesmos insuficientes. Sempre são os pobres que pagam o preço pela cobiça desenfreada e pela irresponsabilidade dos poderosos”, afirmou d’Escoto se referindo ao resgate de US$ 700 bilhões proposto pelo governo dos Estados Unidos para salvar os bancos de investimento de Nova York da bancarrota e do colapso.


Consultado se outros países em desenvolvimento fizeram pronunciamentos públicos sobre sua capacidade de cumprir todos os Objetivos antes da data estipulada, Salil Shetty, diretor da Campanha do Milênio, disse à IPS: “Tristemente, não temos informação de fácil acesso em nível de país em um único lugar. Mas, sabemos que 47 países estão no rumo de cumprir o objetivo de educação, 44 o referente a pobreza e 34 no tocante à mortalidade infantil”, afirmou. Isto inclui algumas das nações mais pobres, como Zâmbia, que está bem encaminhada em seis dos oito objetivos, e também alguns países grandes, como o Brasil, que só está atrasado no objetivo relacionado ao saneamento, afirmou Shetty.

Para Shetty, os maiores desafios são os objetivos sobre meio ambiente e mortalidade materna. Thoraya Ahmed Obaid, diretora-executiva do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), disse que custaria ao mundo cerca de US$ 6 bilhões, menos de um dia e meio de gasto militar mundial, impedir que as mulheres morram ao darem à luz. “Não cumpriremos os Objetivos do Milênio, a menos que a saúde reprodutiva e os direitos das mulheres se convertam em uma prioridade política e financeira”, disse Obaid à IPS.

A reunião de alto nível realizada na semana passada viu a criação de uma nova coalizão para cumprir os desafios que enfrentam os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio: organizações governamentais e não-governamentais, presidentes de corporações multinacionais, organizações religiosas e filantropos. Ban Ki-moon pediu US$ 72 bilhões por ano em financiamento externo para se atingir as Metas do Milênio até 2015. “Embora a quantia pareça enorme, de fato pode ser custeada, particularmente considerando os US$ 267 bilhões gastos no ano passado por países da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômicos (OCDE) somente na área de subsídios agrícolas”, acrescentou.

O presidente do Quênia, Mwai Kibaki, apontou o aumento nos preços do petróleo com fator da atual crise econômica que enfrenta hoje a maioria dos países pobres. Mas, o presidente de Ruanda, Paul Kagame, se mostrou mais confiante em sua luta contra a pobreza. Disse que em seu país - uma das histórias de êxito mais recentes da África – se registra “um saudável crescimento econômico, que atualmente é, em média, de 7% ao ano, em um contexto cada vez mais aberto e propício que incentiva os investidores externos e internos”.

Explicando alguns dos êxitos dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, Ban Ki-moon disse que as vacinas contra o sarampo impediram 7,5 milhões de mortes. Também houve avanços contra a Aids, enquanto aumentaram as matrículas escolares em vários países africanos, após a abolição de cotas escolares, acrescentou. “Milhões de lares pobres saíram da extrema pobreza, não somente na China e Índia, mas em muitas nações, entre elas algumas das mais pobres”, disse Ban. Além disso, admitiu que a África subsaariana experimentou um aumento dos pobres entre 1990 e 2005.

Alison Woodhead, porta-voz da Oxfam Internacional, disse as IPS que a reunião de alto nível “demonstrou que há um renovado apetite pela luta contra a pobreza”. Este encontro deu nova vida aos Objetivos do Milênio, acrescentou. Mas o grande fracasso da cúpula é a resposta à crise alimentar – prosseguiu Woodhead – porque os líderes mundiais não responderam ao desafio, deixando amplamente de cumprir compromissos assumidos há meses. (IPS/Envolverde)



View toolkit